quinta-feira, 13 de agosto de 2009

PRISCILA FANTIN


A bela e meiga atriz Priscila Fantin faz parte do limitado clube de solteiras interessantes que existem no Brasil. Até pouco tempo atrás um ídolo teen, a doce Priscila deu umas férias de gravar novelas, até porque essa rotina é muito puxada. E a garota aproveita para frequentar eventos bacanas, gravar filmes, e até bolar projetos diferentes. Priscila Fantin surpreende na sua geração por sua simplicidade, inteligência e sua inegável beleza, além do corpão escultural que ela tem.

Um deles é um filme que ela pretende fazer com a amiga e roteirista do programa Oi Mundo Afora, que teve uma temporada sob apresentação da Priscila que, como sempre, é uma simpatia. Esse filme é um curta-metragem, que pretende mostrar o problema da passividade dos brasileiros diante da corrupção política, que hoje atinge níveis extremos e vergonhosos com os escândalos e as baixarias do Congresso Nacional, na pior crise vivida pelo Poder Legislativo nos últimos anos.

É realmente positivo haver iniciativas assim, e Priscila pretende participar do roteiro com sua amiga, além de produzir e dirigir o mini-documentário. Desejo muita boa sorte para a graciosa atriz nesse novo projeto.

DIPLOMA DE DIZIMISTA


Na onda das denúncias contra a Igreja Universal do Reino de Deus, há o hilário caso da concessão de um "diploma" para quem tivesse pago os dízimos "religiosamente" (olha o trocadilho). Ou seja, aquele que, toda vez que frequentar o culto na Igreja Universal de seu bairro, "doar" uma quantia financeira expressiva para os pastores, ganha um certificado que, pasmem, conta com a "assinatura" do "Sr. Jesus Cristo", ao qual se atribui a função de "abençoador".

O cômico documento - que poderia render um processo contra a IURD por falsidade ideológica, até pela caligrafia rudimentar e pouco personalizada do suposto "Jesus Cristo" - tem linguagem pomposa e rebuscada.

O caso citado é o de um homem com problemas psicológicos que oferecia dinheiro e bens para uma filial da Igreja Universal em Belo Horizonte. Com suas generosas "colaborações" à Igreja Universal, ganhou um certificado, o "diploma de dizimista", com a suposta assinatura de Jesus. Esse fiel deve pensar: "Puxa, tem assinatura do Nosso Senhor Jesus. Que legal!!".

Isso é que é usar o respeitável nome de Jesus Cristo em vão, para motivos fúteis.

INCOERÊNCIA NA ESCOLHA


Se as mulheres que curtem ou que se envolvem no brega-popularesco não escolhem o universo musical em que participam, por que elas fazem questão de escolher o tipo de homens para a vida amorosa?

Se ligam o rádio, seu gosto musical passa a ser o que a emissora de rádio "mais popular".

Mas, se procuram algum homem, rejeitam os primeiros pretendentes, mesmo sendo eles do jeito que elas desejam e esperam de um futuro marido.

Parem de incoerência!!