sexta-feira, 31 de julho de 2009

Lula chama de 'imbecis' e 'ignorantes' críticos do Bolsa Família


Lula criticou quem diz que programa deixa 'as pessoas preguiçosas'.

Presidente discursou em cerimônia de formandos em Belo Horizonte.

Do G1, em São Paulo

Em discurso durante a cerimônia de formatura do Planseq (programa de qualificação dos beneficiários do Bolsa Família) nesta sexta-feira (31), em Belo Horizonte, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva classificou de “imbecil” e “ignorante” os críticos ao programa.

“Ainda tem gente que critica o Bolsa Família. Eu acho normal. Eu atingi uma idade que eu não tenho mais o direito de me ofender com essas coisas. Alguns dizem assim: o Bolsa Família é uma esmola, é assistencialismo, é demagogia e vai por aí a fora. Tem gente tão imbecil, tão ignorante, que ainda fala ‘o Bolsa Família é para deixar as pessoas preguiçosas porque quem recebe não quer mais trabalhar’”, disse.

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome informou nesta sexta que o reajuste de cerca de 10% autorizado para o Bosa Família, principal programa de distribuição de renda do governo federal, terá um impacto de R$ 406 milhões no orçamento federal deste ano.

Para o presidente, "a ignorância é de tal magnitude que as pessoas pensam que um ser humano vai ganhar R$ 85 e vai deixar de ter perspectiva de ganhar os R$ 616 que a Mônica [uma das formandas] vai ganhar tendo um trabalho decente".

"As pessoas que pensam que o Bolsa Família é isso são as mesmas que acham que o cara mora num barraco na favela porque quer, que o povo é pobre porque é vagabundo porque não quer trabalhar, estudar. Ou seja, essa forma simplista de ver as coisas, não permite sequer que esse ignorante lembre que o país é dividido entre as pessoas que tiveram oportunidade e as que não tiveram oportunidade", disse o presidente.


COMENTÁRIO DE O KYLOCYCLO:

Seria ideal que, em vez de haver paliativos como o Bolsa Família, houvesse um projeto educacional sério que de fato resolva os problemas do analfabetismo, da baixa instrução em todos os aspectos. Por que ninguém mais fala de Anísio Teixeira, de Paulo Freire, de Darcy Ribeiro? Por que não há um novo educador com grandes projetos para a nação? A Bolsa Família é uma esmola, ela apenas dá o peixe, em vez de ensinar a pescar.

O próprio povo, se observarmos bem, tem muito mais necessidade de saber trabalhar e lutar por conta própria do que ficar recebendo mesada à toa do governo.

Quem reprova o Bolsa Família, por ser um mero paliativo, não acha que o povo mora na favela porque quer ou outras coisas do tipo. Reprova porque, isso sim, quer que o povo trabalhe, tenha saúde gratuita de qualidade, educação gratuita de qualidade, uma casa decente e espaçosa e segurança. Dar mesada para o povo não resolve, se projetos como o PAC andam muito lerdos, se não existe educação e, além de tudo, surgem DEMAGOGOS como MC Leonardo e sua APAFUNK para dizer que o ridículo "funk carioca" é cidadania. Gente aliás que é apoiada pela corrupção política de direita, de centro e também de esquerda (vide o DECEPSOL).

Pelo jeito, Lula esqueceu de sua própria experiência de vida.

Cantores se unem em prol da MPB autêntica



Os cantores Bena Lobo e Daniel Gonzaga juntaram forças para fazerem shows juntos. Os dois são descendentes de grandes músicos da MPB autêntica. Bena (que foi marido da jornalista Ana Luísa Guimarães, da Rede Globo) é neto do radialista e músico Fernando Lobo e filho do cantor e músico Edu Lobo (da geração dos anos 60). Daniel é neto de Luiz Gonzaga, o Rei do Baião, e filho de Gonzaguinha.

Os dois são discriminados pela mídia, a cada dia com maior má vontade em relação à MPB autêntica. Por isso juntam forças, antes até que o mercado breganejo arme uma dupla de "sertanejo universitário" (sic) com nome de Edu Lobo & Gonzaguinha, e talvez depois Zé Ramalho & Alceu, Milton Nascimento & Venturini, Chico Buarque & Djavan ou, quem sabe, Gilberto Gil & Caetano, todos sem a menor alusão aos artistas originais.

Por isso que os verdadeiros nomes da MPB, veteranos e emergentes, têm que honrar pelo seu bom nome, em vez de depender de trilhas de novela para sobreviverem.

RÁDIOS "OUNIUS" NÃO NOS DEIXAM RESPIRAR



Há poucos minutos fui para uma lavanderia e a vendedora botou o rádio ligado na Band News Fluminense FM.

Não sou contra FM transmitindo notícias, mas dedicando toda a programação para noticiários é um porre. Acaba indo, inevitavelmente, para o showrnalismo, para tornar as notícias mais "digestíveis".

Mas o chato mesmo é que nem os intervalos comerciais colaboram com música. Há módulos inteiros sem jingles. Sei que muitos jingles são chatos de doer, ainda vou comentá-los em breve, mas também é outro porre ouvir apenas comerciais falados, narrados, mesmo com um fundo musical morno de tecladinho chinfrim.

Assim não dá. Overdose de informação empurrada goela abaixo, com intervalos comerciais que também são puro blábláblá, não há como respirar com o rádio ligado. Desligar o rádio é a solução, nem que seja para ouvir a música de dentro de minha alma.

MAÍSA EM SUA NOVA AVENTURA: ENFRENTAR A MULHER GIGANTE



A Mulher Gigante, conhecida por muitos (incautos) como a "Rainha da MPB", finalmente vai encarar alguém do seu tamanho. A cantora baiana vai gravar com Maísa.

Não, meus caros. Não é um dueto póstumo, garantido pela tecnologia, com a cantora e autora de "Meu mundo caiu". A Maísa, no caso, é esta menininha do SBT, o que mostra o caráter brega-infantil que desmascara à "diva" de dimensões rodriguianas (no sentido daquela frase do Nelson Rodrigues sobre a unanimidade burra).

A Mulher Gigante, aliás, atualmente gestante, apela para tudo: disco infantil, duetos em especial do Multishow, performances tipo Michael Jackson (seu maior referencial, já que MJ é o símbolo maior do ideal do "puro entretenimento" em detrimento da arte), e até declarações tolas de que dançava nas ruas de Madri para chamar a atenção dos espanhóis.

Se bem que, perto da Mulher Gigante, a pequena Maísa parece ser menos pretensiosa.