sábado, 12 de dezembro de 2009

Recordar é viver: Esse é o público do brega "universitário"


No Hospital Universitário de Londrina, os pacientes só falam sobre o assunto. No dia 20 de novembro, formandos comemoravam num bar o fim do treinamento em pronto-socorro. A farra continuou, depois, dentro do hospital da faculdade.
Com o celular, um rapaz que estava no pronto-socorro gravou a bagunça. Os alunos fizeram uma contagem regressiva para o fim do curso e soltaram rojões no pátio do hospital. “Tinha mais gente sendo atendida e gente internada, deitada, com aparelhos. É um desrespeito com as pessoas”, diz o rapaz que fez as imagens.


Esta notícia foi há um ano, no dia 10 de dezembro de 2008, mas mostra o que quer e o que pode o público do brega "universitário", presente nas tais "choppadas" ou nos festivais "universitários" onde tem até ritmos brucutus, como o porno-pagode baiano e o "funk carioca".

Na reportagem, os estudantes de Medicina de Londrina vão para a farra no fim de um exercício de aula, se embriagando e pouco se lixando para a responsabilidade profissional que irão exercer. Gente irresponsável, que não tem noção sequer do que eles são e do que querem na vida, também não podem ter noção do que é cultura.

E haja "sertanejo universitário", "forró-brega universitário", "brega de raiz universitário", "arrocha universitário", "axé universitário", "pancadão universitário", "mensalão universitário" e outras "universalidades" patrocinadas pelo braço cultural do PiG.

Um comentário:

Leonardo Ivo disse...

Vamos apartir deste blog, do meu e de outros evitar de chamar funk carioca de funk. Ele não é e nunca será funk,pois ele é derivado do Miami Bass de onde também se originou o Techno. Peço que aqui e em outros blogs passem a chamar o funk carioca não mais de funk, mas de FAVELA BASS, pois este é o seu verdadeiro nome. Chamar o FAVELA BASS de funk é uma tremenda ofensa este maravilhoso ritmo do qual o rock também faz parte. Maravilhoso ritmo que tinham como cantores Michael Jackson, Aretha Fraklim, Luther Vandross, George Benson, Comodores, Tim Maia, Sandra de Sá e tantos outros expoentes da musica mundial e de forma alguma pode se associar o FAVELA BASS a um ritmo tão lindo como funk, pois isto é uma ofensa.