terça-feira, 3 de novembro de 2009

Claude Levi-Strauss morreu


Morreu no último sábado o antropólogo franco-belga Claude Levi-Strauss. Ele tinha 101 anos incompletos, já que seu centenário foi completo em dezembro do ano passado. Eu mesmo escrevi um texto no meu site Ensaios Patrimoniais.

Ele foi um dos maiores cientistas sociais do mundo, e como antropólogo ele deu valiosa contribuição não só pelo estruturalismo no mundo inteiro, como no âmbito da antropologia brasileira. Ele foi convidado em 1934 para lecionar na então recém-criada Universidade de São Paulo. Realizou pesquisas sobre tribos indígenas no Centro-Oeste e Norte do Brasil. Fez pesquisas relacionando culinária e cultura, entre tantas outras coisas.

Ele sofria do mal de Parkinson, embora nos últimos anos ele havia se esforçado para continuar lançando idéias, através de ensaios sobre literatura, cultura e memórias de sua trajetória intelectual.

Na década de 80, o professor e antropólogo José Ribamar Bessa Freire, da UERJ, então aluno de Levi-Strauss na Universidade de Sorbonne, na França, testemunhou o grande entusiasmo que professores e alunos tinham com Levi-Strauss. Foi entre 1981 e 1982. Mesmo os professores deixavam de dar aulas para assistir às palestras do antropólogo, o que nada tinha de inútil ou de desperdício, porque nada custa aprender lições de alguém mais experiente. As aulas eram tão concorridas que muita gente ficava sentada no chão, por falta de lugar.

Levi-Strauss é mais um intelectual que nos deixa, fazendo falta na humanidade. Resta, pelo menos, o seu grande legado e suas idéias, que pelo menos deixaram sementes. Esse legado certamente deveria servir de lição para certos antropólogos que, em vez de estudar objetivamente a humanidade e seus desafios na vida, preferem fazer propaganda do medonho "funk carioca" usando toda retórica barata sob o rótulo de "etnografia".

Bibliografia de Levi-Strauss publicada no Brasil:

* Tristes Trópicos (Companhia das Letras, 1996)
* As Estruturas Elementares do Parentesco (Vozes, 2003)
* Antropologia Estrutural (Vol. 1) (Cosac Naify, 2008)
* Antropologia Estrutural (Vol. 2) (Tempo Brasileiro, 1993)
* O Pensamento Selvagem (Papirus, 2005)
* Sociologia e Antropologia, de Marcel Mauss (introdução de Claude Lévi-Strauss, Cosac Naify, 2003)
* O Cru e o Cozido - Mitológicas (Cosac Naify, 2004)
* Do Mel às Cinzas - Mitológicas (Cosac Naify, 2005)
* A Origem dos Modos à Mesa - Mitológicas (Cosac Naify, 2006)
* O Homem Nu - Mitológicas (Cosac Naify, 2009)

Nenhum comentário: