terça-feira, 17 de novembro de 2009

ALEXANDRE PIRES NÃO É O NOVO WILSON SIMONAL


Quando critico o cantor Alexandre Pires, não é por calúnia nem por racismo, até porque a cultura negra brasileira é uma das mais ricas do mundo.

Critico o Alexandre Pires porque a mediocridade artística dele é gritante, apesar de, nos últimos anos, ele vender a imagem de "sofisticado" e tentar se infiltrar até em eventos de MPB.

Quem acompanhou o Só Pra Contrariar, grupo que lançou o cantor, pelos idos de 1990, em plena Era Collor, esse grupo simbolizava, junto a Chitãozinho & Xororó, Kaoma, Wando, Chiclete Com Banana e outros, a baixaria reinante nas rádios apadrinhadas anos antes por José Sarney e ACM.

A breguice do Só Pra Contrariar, assim como seu antecessor de sucesso Raça Negra - que lembrava o sambão-jóia de triste lembrança nos tempos da ditadura - , era tão gritante que era risível. Risível como todos os grupos diluidores do samba brasileiro, grupos que até bajulavam o Fundo de Quintal e os Originais do Samba, da mesma forma que os posers do nível de Guns N'Roses e Mötley Crüe bajulavam o Led Zeppelin e o AC/DC, mas que, em ambos os casos, não faziam algo além de meras babas que remetiam ao lixo de Michael Sullivan & Paulo Massadas. Esses grupos pseudo-sambistas faziam a mesma coisa que o Sambabaca e o Gagoto Magoto fazem, só que sem a alegria da piada mas com o infeliz pretensiosismo de serem levados muito a sério.

Falam que Alexandre Pires fez sucesso no exterior, tem até fofoqueiro que falou que até Ian McCulloch, o cantor inglês do Echo & The Bunnymen, se rendeu a ele (os dois foram somente jogar bola juntos, por um acaso do destino, quando Ian estava no Brasil). Mas a verdade é que o cantor apenas tentou entrar no mercado estrangeiro, até sob o aval do casal Gloria Estefan (cantora) e Emilio Estefan Jr. (produtor).

Não há inveja alguma quando se diz que Alexandre Pires fracassou no exterior. Nenhuma inveja. O que esperariam dele, um cantor brega (discípulo de Evaldo Braga, Wando e Fábio Jr.), diante do competitivo mercado de cantores latinos nos EUA? Que ele dançasse feito malandro carioca e obtivesse os louros de bandeja? Não. O mercado de lá é muito competitivo, e Alexandre Pires, soando como um arremedo de Bobby Brown com Alejandro Sanz, não poderia mesmo vencer num mercado dominado pelo próprio Sanz, junto a Luís Miguel, Marc Anthony, Ricky Martin e Enriqeu Iglesias.

Ele mal consegue fazer um samba pasteurizado, pois quem conhece o trabalho solo de Pires sabe que ele não faz mais do que um charm ("funk melody" romântico) com algum pandeiro aqui e um cavaco ali. Por favor, não façam acusações de preconceito! A constatação é a mais isenta possível. Preconceituosos são aqueles que pensam que Alexandre Pires é um "gênio" porque viram ele no Domingão do Faustão.

Comparem o som de Alexandre Pires com o de outros cantores negros, estes realmente geniais, como Agostinho dos Santos e Wilson Simonal (cujo sucesso de alcance internacional rende hoje comparações hipócritas ao ex-SPC). Ou de mestres como Milton Nascimento e Djavan. Verão a diferença do nível de qualidade.

Eu mesmo pude passar perto de um som que tocou a versão de Pires para "Hunting High and Low" do A-ha. Há uma parte, depois do solo de teclado na música do grupo norueguês, que se segue com um clímax musical. Na versão de Alexandre Pires, duetando com uma cantora baiana, no equivalente a esta parte o cantor desafina num timbre tão fanho que a parceira do dueto teve que cantar em cima para disfarçar. Outro problema foi antes, no Domingão do Faustão, quando Alexandre Pires foi cantar "Adiós Muchachos" como se fosse um calouro com a boca cheia de biscoito creme-cráquer.

Infelizmente nem todo sucesso comercial é sinônimo de qualidade. Não adianta as pessoas dizerem que hoje os tempos são outros. O sucesso dos ídolos do brega-popularesco se deve a todo um esquema corrupto de mídia, que hoje muitos se recusam a enxergar mas que a História registra para contragosto dessas pessoas.

Além do mais, para que comparar Alexandre Pires ao Wilson Simonal se o verdadeiro herdeiro artístico do Simona está aí, com seus discos, seus concertos, sua música e integridade, que é o próprio filho Wilson Simoninha?

Chega de música brega, pessoal!!!!

Um comentário:

O Kylocyclo disse...

Tenho que reconhecer que Alexandre Pires canta apenas como um calouro de riélite chou e que as covers que ele faz dos clássicos da MPB são horríveis. "Pecado Capital", de Paulinho da Viola, nem deixou marca na versão do Só Pra Contrariar, de tão desastrosa essa gravação do sr. Pires e sua ex-banda.