domingo, 4 de outubro de 2009

MERCEDES SOSA


Embora eu não seja um fã da música cantada pela argentina Mercedes Sosa (mas meus pais são grandes fãs dela), sempre respeitei seu talento, reconhecendo nela uma das grandes intérpretes da América Latina. Não era compositora, mas sempre gravou compositores de qualidade e sempre se cercou de bons músicos. Foi uma das mais íntegras artistas e também foi uma das mais expressivas porta-vozes da canção de protesto nos anos 60 e 70, quando a América do Sul, incluindo a Argentina e também o Brasil, sucumbiu a várias ditaduras militares, cometendo crimes contra os direitos humanos.

Mercedes faleceu de doença hepática hoje de manhã, aos 74 anos. Teve uma carreira de 60 anos e muitos discos. Gravou com os brasileiros Raimundo Fagner e Milton Nascimento. Fez um tributo à falecida cantora e compositora chilena Violeta Parra, em um disco de 1971, gravando as famosas canções "Gracias a la vida" e "Volver a los 17" (que em 1976 gravou em dueto com Milton, num LP deste).

A morte dela deixa tristes e órfãos muitos fãs, mas o carisma de Mercedes Sosa e a força de seu talento musical permanecem vivos, deixando muitas sementes para futuros artistas que se interessem na autêntica música andina.

Um comentário:

Edilson Trekking disse...

Será que os universotários conhecem Mercedes, Alexandre?
Mercedes Sosa viverá para sempre nos corações dos que lutaram e lutam pela verdadeira democracia na América Latina.Me lembro como se fosse hoje meu irmão chegou com duas fitas cassetes uma da Mercedes Sosa e outra de Chico Buarque. A gente passou a tarde inteira ouvindo e tomando tereré(bebida gelada feita de erva mate).
Um abraço.