segunda-feira, 7 de setembro de 2009

TUMULTO MARCA IDA DO BEIRUT A SALVADOR


A indústria fascista da axé-music não permite que artistas estrangeiros se apresentem em Salvador (a não ser quando cooptados pelos axezeiros). Quando acontece, geralmente são nomes decadentes - como o grupo dançante Double You, tão inexpressivo na Europa e cujo vocalista Willian Narraine, estranhamente, fala como se fosse brasileiro - ou em fim de carreira, como a cantora disco Gloria Gaynor.

Quando aparece um grupo que ainda está em ascensão e faz uma música de qualidade, como o norte-americano Beirut, ocorrem incidentes como no festival PercPan, quando o vocalista, trompetista e violonista do grupo, Zach Condon, com seu português iniciante, disse "Todos vocês podem ver" pronunciando como se dissesse "Todos vocês podem vir".

Aí a platéia invadiu o palco, deixando a banda em situação constrangedora até o término da apresentação, aliás até pouco antes. O grupo se retirou e foi para o camarim, e os organizadores tiveram uma discussão com os músicos antes deles serem convencidos a voltar. Depois, no biz, o grupo tocou uma música - creio que é "Nantes", que aqui aparece no vídeo do YouTube - e Condon fez uma apresentação sozinho, ao violão.

Incidentes como estes são nada diante de alemães trocando de roupa no recinto principal do Aeroporto Dois de Julho - que ainda se chama Luiz Eduardo Magalhães (cadê a coragem, Jacques Wagner, para retomar o antigo nome?) - e de professora fazer baixarias num evento de pagodão. Mas não deixam de ser constrangedores, para uma banda que queria mostrar seu som.

E não é qualquer coisa. O Beirut surpreende porque são jovens fazendo um som influenciado em música folclórica européia e americana. A música "Elephant Gun" - que apareceu na trilha da minissérie Capitu, da Rede Globo - é uma amostra do que o Beirut sabe fazer, um som fortemente acústico e tradicional, feito por uma geração que quase se tornou escrava da música eletrônica e do hip hop.

Abaixo está o vídeo gravado com o Beirut no PercPan, tocando "Nantes":

Nenhum comentário: