terça-feira, 29 de setembro de 2009

"SERTANEJO UNIVERSITÁRIO" EM CARTAZ NA MÍDIA GORDA


Reportagem da Revista do Globo, suplemento dominical do jornal O Globo, mostra a tentativa da música breganeja de entrar no Rio de Janeiro através dos "sertanejos universitários", espécie de versão "emo" da música caipira ou uma forma musical tardia do acordo MEC-USAID dos tempos da ditadura militar.

É uma forma do coronelismo musical brasileiro - que, de tão rico e poderoso, é capaz de enviar reacionários paranóicos para espinafrar este blog - ingressar no único Estado sudestino que tradiconalmente não é receptivo aos breganejos.

Não surpreende o apoio da mídia gorda neste caso, até porque a Revista do Globo é do jornal O Globo, que é das Organizações Globo, que é dona da Rede Globo que transmite a novela Paraíso. Mas, felizmente, os agricultores sem-terra são tão odiados pela grande mídia que os defensores do breganejo são obrigados a admitir que o estilo é apoiado por grandes fazendeiros.

O breganejo tradicional (Chitãozinho & Xororó, Zezé Di Camargo & Luciano, Leonardo, Daniel, Rick & Renner, Rionegro & Solimões etc) é financiado pelos velhos latifundiários, e o "sertanejo universitário", por empresários de agronegócio.

2 comentários:

Marcelo Delfino disse...

O que virá depois? O funk universitário? O axé universitário? O brega universitário? O louvor universitário?

É por isso que este país continuará sendo um País de Tolos. As universidades formam os futuros líderes da iniciativa privada e do serviço público que afundarão ainda mais este país.

Edilson Trekking disse...

O "breganejo universotário" só serve para demonstrar o baixo nivel que são os cursos superiores no Brasil.