segunda-feira, 21 de setembro de 2009

RÁDIO METRÓPOLE, DESESPERADA, BAJULA PRESIDENTE DO IBOPE


Um internauta informou que, certa vez, o astro-rei da Rádio Metrópole de Salvador, Mário Kertèsz, recomendou para seus ouvintes a lerem a entrevista do presidente do IBOPE, Carlos Augusto Montenegro, na revista Veja. Kertèsz, o Sílvio Berlusconi com dendê, corroborou toda a bajulação de Veja ao presidente do Ibope, no mais puro estilo puxa-saco.

Vale lembrar os "líderes de opinião" baianos que eu falei VEJA, e não CAROS AMIGOS, para quem lunaticamente insiste em considerar a Rádio Metrópole como "mídia de esquerda" e seu astro-rei como "intelectual de esquerda" (um grande equívoco porque Kertèsz é direitista e a única coisa que ele tem de intelectual é que ele teve sorte de parecer fisicamente com o Allen Ginsberg na velhice, e só).

Pois, sim, a Rádio Metrópole e seu dono-locutor, numa cidade onde a mídia é sem-lei como Salvador, capital da Bahia, querem puxar o saco do presidente do IBOPE, para ver se com isso a emissora ganha uma posição mais nobre ou, mais uma vez, tente algum prestígio entre a (tola) aristocracia baiana, destas que condecora até tampa de bueiro que tenha gravada a palavra "Salvador - Bahia". Em nove anos de existência da Rádio Metrópole FM, a provinciana burguesia baiana e sua intelectualidade simpatizante só fez aplaudir até mesmo quando algum locutor da rádio tossia.

Retratos do desespero e do pretensiosismo de uma cidade como Salvador, presa nos valores retrógrados do provincianismo.

2 comentários:

abidoral disse...

a unica coisa que concordo com seu post é que na metropole chama a caros amigos de esquerda. pois ela é de esquerda sim e recebe grande parte da sua verba de sustentação go governo dos petralhas

O Kylocyclo disse...

Não, a rádio não é de esquerda, não. Tanto que seu dono andou falando muito mal de jornalistas e intelectuais petistas, de forma bastante agressiva. Vá para o blog Bahia de Fato e verifique mesmo.

Quanto ao Ibope, a Rádio Sociedade da Bahia dá um banho nessa FM que se comporta como AM de quinto escalão.