quarta-feira, 9 de setembro de 2009

INDICAÇÃO DE BANDA CALYPSO DO PRÊMIO NOBEL FOI FARSA


Banda Calypso, numeroso conjunto em que só aparece o casal central, em factóide publicado até no portal Terra.

No blog Contraditorium, de Carlos Cardoso, há um bom texto que desmitifica a notícia de que a Banda Calypso, aquele enorme conjunto de forró-brega em que somente o casal central, Joelma e Chimbinha, aparece, seria indicado ao Prêmio Nobel da Paz.

Havia escrito no Preserve o Rádio AM um texto, e por boa-fé minha, achei legítima a notícia da indicação, embora achasse um absurdo e discordasse plenamente da concessão de um prêmio desses a um grupo popularesco. Entre outras coisas, escrevi que o grupo não merece o Nobel e que seu trabalho seria apenas uma propaganda para o grupo, desqualificando o trabalho das demais ONG's que, sem se preocuparem com o Nobel, fazem um trabalho mais significativo e muitas vezes mais arriscado, porque vão para os redutos da criminalidade para desviar as crianças desse lamentável destino.

Mas depois, por curiosidade, fui ver na busca do Google para ver se Joelma e Chimbinha, sob o crédito da banda que lideram, ganharam o Nobel (na torcida de que o casal NÃO ganhasse o prêmio) e cheguei a este texto, que denunciou a farsa da notícia.

Carlos Cardoso, aliás, começa a espinafrar uma parcela dos "líderes de opinião" (sem usar este nome) que só ficam copiando textos, sem questionar a veracidade dos fatos. Vale aqui reproduzir este puxão de orelha: "Uma das coisas que mais me irrita na Internet é a INCAPACIDADE dos sites e blogs de AGREGAR conteúdo. Aparece uma notícia, eles replicam do jeito que chegou, botam a fonte e acham que fizeram trabalho. (...) Depois aparecem em eventos dizendo “eu trabalho em um poorrrrrrtal (enchem a boca) e não num bloguinho”. (para os bloguinhos xeroqueiros: Coloquem a PORRA da sua opinião junto da notícia, se não vão agregar informação factual ao menos COMENTEM)".

Para entendermos a gravidade do factóide, uma pegadinha que até me pegou, cabe aqui reproduzir o "vitorioso" texto, publicado entusiasmadamente por revistas de fofocas da TV (tipo Conta Essa, TV Brasil e outras que morrem nas cestas de revistas dos salões de beleza suburbanos):

" A banda paraense Calypso foi indicada ao Prêmio Nobel da Paz, segundo a assessoria da banda. A oficialização será realizada no dia 15 de fevereiro, um domingo.

A indicação de Joelma, Chimbinha e companhia deveu-se a seu relevante trabalho humanitário em prol dos carentes da região Norte, informa uma nota oficial do Comitê da Paz.

O evento oficial de indicação vai acontecer durante uma partida de futebol e uma apresentação da banda no estádio do Mangueirão. O preço do ingresso ainda não foi divulgado."


A mídia popularesca caiu em delírio e as comunidades pró-Calypso no Orkut devem ter enchido de gente desejando boa sorte a Joelma e Chimbinha, chamando-os de "guardiões da cidadania". Não vi as comunidades - visito pouco o Orkut e não vejo muito futilidades, a não ser quando preciso pesquisar sobre a gravidade de certos absurdos na vida - , mas imagino toda a festa feita pela suposta indicação.

Carlos Cardoso esclarece a invalidade da indicação, afirmando que o Nobel mantém em sigilo a lista dos indicados. Vendo a página do Nobel, Carlos tem a seguinte conclusão, reproduzida abaixo:

"1 – TODAS as informações de indicações ou são rumores ou são vazamentos, o nome dos indicados é mantido secreto por 50 anos. Portanto não haverá confirmação oficial até a Banda Calypso ganhar (ou não).

2 – Somente entidades ganhadoras de outros anos, Governos, membros de cortes internacionais, membros de organizações ganhadoras, conselheiros da Fundação Nobel, reitores de universidades e professores de ciências sociais, história, filosofia ou teologia, diretores de institutos de pesquisa de paz (e mais um grupo) podem indicar alguém para o Nobel da Paz".

A suposta entidade que teria "indicado" a Banda Calypso para o Nobel da Paz, um tal de "Comitê da Paz", criada por um ex-Boina Azul, cuja página no portal BH Virtual desapareceu. Da mesma forma, também desapareceu a reportagem do Diário do Pará (que lançou o factóide) com uma suposta cerimônia incluindo este líder do "Comitê de Paz", que atende pelo nome de João Pedro do Nascimento, definido como "bispo".

Apesar de eu ter a princípio acreditado na suposta indicação, sempre a achei um absurdo e nunca quis que a Banda Calypso ganhasse o Nobel da Paz. Seria mais uma propaganda que os ídolos da Música de Cabresto Brasileira ganhariam, eles que estão paranóicos em invadir espaços alheios, e seduzir até o público do exterior.

Mas os gringos não são trouxas. Alexandre Pires não virou "cidadão do mundo" e, fracassando no exterior, voltou ao Brasil. Sandy & Júnior não convenceram como um clone brasileiro do Roxette nos EUA. O "funk carioca" tenta invadir a Europa e os EUA, com um investimento financeiro estranhamente grande, e volta recebendo chacota dos estrangeiros, certamente vendo no ritmo carioca uma exótica aberração. A axé-music também não convence em coisa alguma os estrangeiros. E Chitãozinho & Xororó só fizeram tentar alguma amizade com Reba McEntire e Billy Ray Cyrus (nos tempos em que sua pequena Miley estava longe de ser uma deliciosa super estrela adolescente). É O Tchan em Montreux? Foi tão somente um cruzamento de tara sexual com pagamento de mico.

Felizmente, como não passou de uma farsa essa "indicação" da Banda Calypso, podemos ficar sossegados. Joelma e Chimbinha não levaram o Nobel, terão que se contentar mesmo com o oba-oba brasileiro que se deslumbra com a falsa imagem de "injustiçados" do grupo paraense de forró-brega. Ou com a falsa fama de "independentes", até porque a gravadora que lançou os primeiros discos da Banda Calypso não pode ser considerada "indie" porque não adota a filosofia das verdadeiras gravadoras independentes, é só um selo que, por questões de circunstâncias, tem estrutura pequena, mas tão capitalista quanto qualquer multinacional. Mas isso é assunto para outro texto, em breve.

Um comentário:

Edilson Trekking disse...

Zezé di Camargo i Luciano e Calcinha Preta também foram indicados. José Simão está com a razão,O Brasil é o país da piada pronta.