terça-feira, 1 de setembro de 2009

"FUNK CARIOCA" QUER ATRAPALHAR TRABALHO DE ONG'S


O lobby político em torno do "funk carioca" e todo o discurso enganador que envolve o ritmo, que, sabemos, inclui delirantes alusões, pretextos e comparações, poderá sair fortalecido com a votação na Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro.

O discurso mudou um pouco, pois falava-se em transformar o "funk" em "patrimônio cultural", mas como isso poderia entrar em choque com instituições relacionadas com o patrimônio (IPHAN e Inepac, por exemplo), agora fala-se apenas em "transformar" o ritmo em "movimento cultural de caráter popular". Mas isso é suficiente para ativar todo o esquema 171 que envolve o "funk carioca" que, assim, poderá representar um enriquecimento astronômico de seus empresários. Falarei disso num próximo tópico.

O que está em risco, com a pretensa conversão do "funk" em "movimento cultural" - falácia que a mídia gorda não cansa de veicular - , é o trabalho de organizações não-governamentais sérias, cuja influência na melhoria social das classes pobres, na veiculação de valores dignos, sejam sociais, morais, culturais, musicais etc, que estará ameaçado na medida em que haverá a concorrência de falsas ONG's, alimentadas por várias fontes de "lavagem" de dinheiro, que irão "ensinar" o "funk carioca" para alunos indefesos, que, pobres e sub-alfabetizados, não têm capacidade de discernimento.

É um grande perigo que ameaça a tão sofrida educação de futuras gerações. O lobby do "funk", que não encontra limites para seu império mercadológico, quer atrapalhar a boa formação de nossos futuros cidadãos, empurrando a "bunda music" carioca a todo custo, com toda sua grosseria, com toda sua ruindade, com toda a baixaria que se acha por direito.

O problema não é o espaço que o "funk" tem. São os espaços que não são próprios do "funk" que o ritmo carioca quer conquistar na marra. Seja com poluição sonora, "lavagem" de dinheiro, retórica demagógica e outras armadilhas.

Se não nos alertarmos do perigo, o Brasil será refém do império do "funk carioca". E aí nosso patrimônio cultural, nossa verdadeira diversidade cultural, será prisionieira da ganância dos empresários de "funk", a cada dia mais ricos.

2 comentários:

Marcelo Pereira disse...

Com o t´tulo de "movimento cultural", o "funk"carioca vai se tornar um meio da classe sub-analfabeta de diser que "se interessa por cultura", já que para eles a cultura séria, verdadeira, é algo que para eles é complexo e tedioso.

Edilson Trekking disse...

"ASSIM SENDO , PODE-SE AFIRMAR, SEM MEDO, QUE O "FUNK CARIOCA" NÃO É MANIFESTAÇÃO LEGITIMA DE GUETO NENHUM,VISTO QUE, SIMPLESMENTE,NÃO É MÚSICA,NEM MESMO ARTE. E que opera numa esfera muito mais distante do humano."

Texto do Jornalista Fernando Toledo publicado no Faxina Cultural e Jornal do Brasil