domingo, 6 de setembro de 2009

"FUNK" NAS ESCOLAS?

PRIMEIRO, A DOCE ILUSÃO


Isso aí é apenas uma forma politicamente correta. Tudo "direitinho", tudo "bonitinho". Tirado do blog da Professora Jales. Aparentemente sem maldade, mesmo na letra. Só que a letra, mesmo sendo aparentemente bem intencionada, mostra a tolice e as limitações artísticas do ritmo popularesco, ainda que dentro de um contexto "carola":

VOCALISTA: Ei estudantes nosso lema é o quê?

TODOS: Estudar e ler bastante dar valor para vencer

VOCALISTA: Ei pessoal, somos fortes pra valer.

TODOS : Por isso eu estudo sou valente vou crescer

Sou da turma que estuda

Tô aqui para aprender

Sou feliz fiquem ligados

Tô aqui para vencer

Minha escola é legal

Meu futuro vai mudar

Vou sempre obedecer

Vim aqui para estudar

VOCALISTA: Ei estudantes, nosso lema é o que?

TODOS: Estudar e ler bastante dar valor para vencer

Ser feliz e ter vitórias, vida bela quero ter...


É o tipo de manobra que poderia ter sido usada pelos "militantes" na reunião dos funqueiros na ALERJ. Algo que pode enganar a sociedade, porque acha que será sempre assim o "funk" ensinado em nossas escolas. Algo que o MC Leonardo pode mostrar para a mídia de esquerda - mídia da qual ele nem precisa mais, se a revista Época abrir uma coluna para o MC, ele não sentirá saudade alguma da Caros Amigos - para fazer valer seu discurso.

Mesmo assim, é a mediocridade do "funk carioca" de alguma forma influenciando nossas crianças. E nada impede que coisas piores sejam empurradas para este público infantil, impunemente, sejam os "bondes", a "coreografia" da boquinha da garrafa (adotada pelos funqueiros) e outras coisas.

Era assim que, em outros tempos, os pais e professores, orgulhosos, empurravam o É O Tchan para a criançada cantar e dançar sem saber do que se trata. No ano passado eu vi em Salvador até uma passeata "espírita" para crianças tocando o horrendo Tchan.

DEPOIS, O LADO SOMBRIO


Depois da doce fantasia do "funk cidadão", que deixa felizes todos os políticos, cientistas sociais e até pedagogos que caem facilmente na falácia habilidosa dos empresários do "funk", quem aderir ao ritmo carioca inevitavelmente conhecerá o inferno que lhe está à espera.

E é bom deixar claro: essa futilidade em torno do "funk" nunca espera que algum aluno "cidadão" complete a maioridade para despejar todo tipo de pornografia, drogas, promiscuidade etc.

Muitos dos "bailes funk" são isso mesmo: pedofilia pura, gratuita, prostituição, drogas, música (?!) de péssima qualidade, fora outros valores de baixíssimo nível que se escondem nas floridas e melífluas palavras que se ouve e se lê sobre o ritmo carioca.

2 comentários:

Edilson Trekking disse...

Essas idiotices todas (igrejas neopentecostais,universal, Galvão bueno, Fm's, "funk", breganejo, Senado Federal,'Big Brega', a dancinha do padre na televisão,cantores padres,dramalhões da record ,da globo, da SBesTeira...) se resumem em duas frases célebres: 01- "Le Brésil n'est pas um pays sériux"(O Brasil não é um país sério)
General Charles de Gaulle

2 - "Terceiro mundo se for,
piada no exterior..."
Legião Urbana

Anônimo disse...

Os "narco" e os latifundiários agradecem.