domingo, 30 de agosto de 2009

VEJA MAIS UMA VEZ ATACA O MST


A revista Veja, mais uma vez, mostra seu mau humor e reacionarismo mais que explícito. A edição desta semana mais uma vez ataca o Movimento dos Sem-Terra, mostrando que a Editora Abril não se intimida com os processos judiciais pesadíssimos que enfrenta por causa desses ataques, demonstração do mais baixo sub-jornalismo (que apelidamos aqui de null journalism, o "jornalismo oco").

Mas, embora a "mídia boazinha" (ou "fofa" e "gordinha") não compartilhe com muitos dos procedimentos de Veja - como o grande passatempo da revista da Abril, que é massacrar Che Guevara e Karl Marx até em resenhas de livros históricos sobre eles - , o ataque ao Movimento dos Sem-Terra, em que pese a bronca da mídia de esquerda e até dos "líderes de opinião", ganha a solidariedade de quase toda a "mídia boa", normalmente vista pelos incautos como de "centro-esquerda", só por causa do "bom jornalismo" ou do "jornalismo completo".

Pois até os "líderes de opinião" se surpreendem com isso. A Rede CBN, que é das Organizações Globo e assume postura claramente de direita, mas é vista por colunistas de rádio como "midia de centro-esquerda", ataca com gosto o MST. O Grupo Bandeirantes ataca o MST. A revista Isto É ataca o MST. A Folha de São Paulo, ex-vedete da "mídia boa", ataca o MST. A Rádio Metrópole, de Salvador, que, apesar do nome é mídia provinciana de direita (mas vista pelas tola aristocracia baiana como "mídia de esquerda"), também ataca o MST.

O MST pode não ser uma confraria de santos, mas é um grande exagero promover a imagem negativa do movimento, quando na verdade existem manifestantes e vândalos. Há em manifestações e projetos sociais muitos oportunistas, muitos pelegos, muitos farsantes que de alguma forma distorcem os movimentos ou fazem algo errado e jogam a culpa nos movimentos autênticos.

Daí haver muita gente pseudo-esquerdista - não é estranho haver "socialistas" demais nos condomínios de luxo das grandes capitais? - aos montes, sobretudo na nossa juventude. É gente querendo estragar os movimentos sociais diversos e botar a culpa nos seus organizadores. Sejam os playboys quebrando vidros e destruindo monumentos públicos, sejam os seguranças de axé-music arrumando confusão em festivais baianos de rock, sejam os Marcos Valérios da vida destruindo os partidos de esquerda dentro de seus próprios bastidores.

Nenhum comentário: