sábado, 15 de agosto de 2009

REACIONARISMO EM EXCESSO FAZ MAL


Não é de hoje que em minhas páginas da Internet recebo mensagens de gente reacionária, geralmente escrevendo muito mal e fazendo comentários e xingações grosseiras contra mim.

Há fortes indícios que se trata de gente que trabalha para a mídia, ou então são os fãs mais fanáticos, mas a primeira hipótese é mais provável. Afinal, um fã que se preza não se preocupa em perseguir quem não gosta do seu ídolo, o fã gosta desse ídolo e ponto final. Pode mandar uma farpa para um e outro, mas não insiste no patrulhamento fascista.

Desde 1964 vemos a ação de reacionários de toda espécie. Recentemente, tive um problema, numa comunidade do Orkut("Eu Odeio Acordar Cedo"), com um bando de internautas que eram adeptos da Rádio Cidade na sua fase pseudo-roqueira e que defendiam a ridícula gíria "balada". Era uma patota que, numa personalidade só, misturava o reacionarismo do Comando de Caça aos Comunistas (apesar da pose pseudo-esquerdista de vários deles) com o senso de humor ao mesmo tempo jocoso e violento dos skinheads (tipo de punk fascista).

Tive que encerrar meu primeiro perfil no Orkut, porque um desses reacionários ameaçou invadir meu perfil. Esse carinha, coitado, escreveu que eu estava ferrado, só que não sou eu quem fica se expondo a todo tipo de encrenca naquilo que ele conhece como "balada". E eu mesmo escrevi para eles que são eles que estão buscando toda sorte de encrencas. Não por acaso, meses depois de terminar este perfil do Orkut, um grupo de jovens ricos da Barra da Tijuca, de perfil bem semelhante ao dos reacionários que vi no Orkut, foi preso por agredir uma empregada doméstica em um ponto de ônibus desse bairro do Rio de Janeiro.

Agora tem o tal carinha que espinafra este blog, ataca a MPB e defende ídolos breganejos, axézeiros e até bregas setentistas. E ainda se acha "dono da razão", "senhor da verdade absoluta". É mais um reacionário que, tal qual os da comunidade do Orkut, investe com arrogância e grosseria extremas. Ele se acha até no direito de espinafrar a cantora Maria Rita, do teor que ele quiser. E quem reprovar o ato dele, esse carinha logo xinga de "viado" e outras barbaridades.

Me lembro então dos tempos da ditadura. Não comente do Cabo Anselmo e do Comando de Caça aos Comunistas. Houve também o DOI-CODI, órgão policial da ditadura surgido de uma reestruturação da OBAN (Operação Bandeirantes), destinada a caçar, julgar, torturar e até matar qualquer pessoa acusada de "subversão". A ditadura militar sempre foi um regime de "caça às bruxas", mas a coisa tornou-se mais comum entre 1968 e 1974, quando centenas de pessoas, de estudantes a líderes sindicais, foram mortos e desaparecidos.

A desculpa, na época, era de que o regime militar necessitava exterminar supostos agentes do comunismo internacional, por isso militares foram treinados por especialistas em tortura estrangeiros, alguns envolvidos com o regime nazista.



Só que a ação do DOI-CODI, usado a princípio para proteger o regime militar e a "democracia" brasileira (segundo o ponto de vista da direita política), começou a ficar abusiva, uma vez que o reacionarismo de certos indivíduos, quando eles tomam o gosto da fúria, passa a ser uma ameaça até para a instituição ou ente que esses mesmos indivíduos afirmam defender.

As mortes do jornalista da TV Cultura, Vladimir Herzog, em 1975, e do líder sindical Manuel Fiel Filho, em 1976, expressaram os excessos da fúria reacionária dos torturadores. Só que a ditadura militar, que os via como guardiões, começou a vê-los como ameaça, uma vez que os torturadores, com sua arrogância, poderiam significar a mesma quebra da hierarquia militar que, através da revolta dos marinheiros comandada por Cabo Anselmo (então tido como esquerdista, bem antes de ter sido descoberto traidor de seus próprios amigos e até da namorada), tornou-se pretexto para o golpe de 1964.

Por isso mesmo é que, quando supostos fãs de ídolos como Vítor & Leo, Chiclete Com Banana e outros, provavelmente colaboradores da mídia ou dos próprios ídolos defendidos, deveriam moderar dos seus comentários, evitando expor seu rancor contra quem discorda de seus pontos de vista.

Um dia, ações como a de um Olavo Bruno poderão causar problemas sérios até para os ídolos que ele defende, que, cedo ou tarde, ficarão incomodados com a atitude furiosa de Olavo, que, ao invés de garantir a pretensa unanimidade desses ídolos, os prejudica com a má fama dos defensores fanáticos, intolerantes e violentos.

Por isso mesmo, é bom Olavo e similares ficarem quietos e na sua. Eles não vão destruir este blog por discordar daquilo que eles pensam. Se insistirem na fúria reacionária, eles simplesmente serão chamados pelos próprios empresários dos ídolos que eles defendem e levarão uma bronca inesperada, porque, a exemplo dos torturadores do DOI-CODI, o reacionarismo que defende, quando em excesso, acaba prejudicando a causa defendida, bem mais do que aqueles que discordam dessa mesma causa.

Nenhum comentário: