quarta-feira, 19 de agosto de 2009

MAIS UM REACIONÁRIO


Texto de mau gosto e extremamente preconceituoso. Não parece vir de alguém educado que pareça apreciar a "boa música". (Flávio Oliveira)

Texto de mau gosto é este de um fã de axé-music mais preocupado em atacar quem não gosta desse estilo. Gente de baixa auto-estima, que deveria ficar quieta no seu lugar levantando os bracinhos e cantando ao som daquilo que ele gosta.

É sempre a mesma desculpa dos fanáticos da axé-music. Segundo tais pessoas, temos que ser politicamente corretos e aplaudirmos até o "pum" que algum pagodeiro baiano lançar O General Emílio Garrastazu Médici estaria orgulhoso.

Afinal, a democracia parece não ser nossa, mas da turma autoritária e reacionária que fez esse país dotado de senadores maranhenses, DJs e MCs de "funk carioca", ídolos breganejos e de sambrega, cantores de axé-music, tecnocratas, executivos da mídia, chefões da ANJ, diretores do FMI.

É o mesmo papo de "liberdade", "cidadania", "boa música", "democracia", que as elites autoritárias e prepotentes usam para se manterem no poder.

Porque o espaço que essas pessoas querem não é o deles, mas o NOSSO.

A MPB autêntica perde espaços, tornou-se proibido pensar (a não ser dentro do padrão tolerado pela grande mídia), questionar virou um ato anti-social, a cultura autêntica está ameaçada de desaparecer, e a gente tem que ficar feliz com cantores de axé-music ocupando terrenos que não o deles, criando um pequeno "império romano" a transformar o país numa grande micareta.

Preconceituoso é esse Flávio Oliveira, que mal sabe de metade da história real da axé-music, um ritmo que nasceu dentro do projeto populista de Antônio Carlos Magalhães. Preconceituoso é ele, sim, porque não entende as razões das quais reprovo a axé-music e a enquadro dentro da Música de Cabresto Brasileira.

Se ele quer viver no mundo da fantasia da axé-music, símbolo da ideologia do espetáculo de que nos alerta, sabiamente, José Arbex Jr., tudo bem, que viva. Que compre seus abadás e vá para tudo que for micareta e até na matriz das micaretas, o Carnaval baiano.

Só não venham os defensores da axé-music nos cobrar elogios a seus ídolos, como se houvesse uma "unanimidade" em torno da axé-music.

Pois a axé-music não é unânime, está longe de ser a melhor música do mundo, e as críticas que eu faço se baseiam justamente nos micos e na música superficial que esses ídolos da axé-music fazem.

3 comentários:

Marcelo Delfino disse...

Essa gentalha reacionária vem de longe, Alexandre. Nos anos 60, estavam nas passeatas contra as guitarras elétricas, e vaiaram impiedosamente Caetano e os Mutantes naquele festival de 1969. Devem ter festejado no dia que Caetano e Gil embarcaram para Londres, a contragosto.

Edilson Trekking disse...

Rapaz, o axé-music junto com o breganejo , "funk", arrocha, tche-music é a trilha sonora do Brasil que tem um dos indices de pobreza, analfabetismo, corrupção, prostituição e desigualdade social mais altos do mundo.Geralmente quem gosta desse ritmo(axé não pode ser chamado de música em lugar nenhum do mundo)houve no volume máximo, incomodando o sono do trabalhador, tirando a concentração do universitário que quer estudar.O músico Marcelo Nova disse uma vez num show em Salvador :- "Não faço música prá adestra macacos!" Se referindo ao axé(no caso macacos são os que dançam igual , fazem mímica...). Eu acredito que o estado da Bahia, assim como o País, só vai se desenvolver se investir mais em cultura acadêmica. A cultura acadêmica nutre a inteligência , tirando do escuro pessoas como esses reacionários de plantão. Essa é a minha humilde opinião.

Edilson Trekking disse...

Os micos


Essas "músicas" (ritmos) do trio elétrico não tem criatividade nenhuma. Pesquisei no google algumas delas como por exemplo essa pérola:

"Balança a cabeça!sacode a bundinha!levanta os braços,gira, gira...Agora pula!Pula de novo!Quero ver todo mundo pular!

É uma "música"(ritmo) que fala de si mesma e dá instruçoes ao público de como dançá-lá.
Existem as variações como a Dança do jacaré, Dança do camaleão e outras. Tem também a dança do Mico-Leão Atingido por gás lacrimogêneo.
Como disse o Marceleza só serve mesmo para adestrar macacos ou micos.
Serve também para deixar o povo alheio aos problemas sociais e ACM sabia disso e os outros também.