domingo, 23 de agosto de 2009

JABACULÊ NA MPB FM


Jabaculê dos "bons" na MPB FM. Hoje de manhã a rádio tocou "Eu vou tirar você deste lugar", do ídolo brega Odair José. Algo que caberia melhor num programa de flash back da Nativa FM.

O programador da MPB FM certamente deve ter se impressionado com os "causos" sobre o dueto de Caetano Veloso e Odair José no Phono 73, e pela pregação que a mídia gorda e gordinha fazem em prol dos bregas dos anos 70.

Só que a música "Eu vou tirar você deste lugar" poderia muito bem ser regravada pela banda do Exército e, se tivesse sido gravada em março de 1964, seria o hino máximo das passeatas Família, Deus e Liberdade que cantariam seu refrão em uníssono contra o então presidente João Goulart.

O grande perigo é de ver que, a qualquer momento, a MPB FM assimile em breve o mesmo playlist defendido hoje por rádios como Nativa FM, Beat 98 e FM O Dia, sob o pretexto da "ruptura de preconceitos" e outras lorotas que a mídia supostamente revisionista poderá armar para os crédulos de plantão.

Imagine se, daqui a dez anos, a MPB FM tocar Fábio Jr., Alexandre Pires, Chitãozinho & Xororó, Tati Quebra-Barraco, É O Tchan, Chiclete Com Banana e Asa de Águia, só porque uma elite de jornalistas e professores universitários movida a jabaculê tentou fazer uma "visão revisionista" do brega-popularesco, com argumentações do tipo "eles faziam sucesso sem esforço, era só montar um palco e a multidão chegava aos montes cantando de cór suas músicas; tempo de inocência onde uma bunda aparecia sem maldade nas telas da televisão, e não precisava ser um Tom Jobim para fazer música brasileira".

Gente fazendo argumentos engenhosos é coisa que até o Golbery do Couto e Silva, o famoso general da Escola Superior de Guerra e do "insituto" IPES, e também mentor do golpe de 1964, sabia fazer. Era só tocar no sentimentalismo forte das pessoas e, pronto, numa época era só botar os generais para o Governo Federal, noutra era só botar os bregas no rótulo MPB, convertido numa espécie de PMDB musical (mais tarde falarei do assunto).

Enquanto isso, o "mestre" José Sarney - tão "intelectual" quanto tão "MPB" são os ídolos cafonas e neo-cafonas - teve todas as acusações arquivadas pela Comissão de Ética do Senado Federal. Chamem os ídolos cafonas e neo-cafonas para a "pizza". Não se esqueçam dos trios elétricos e das duplas breganejas vestidas do mais "típico" traje caubói.

3 comentários:

Marcelo Pereira disse...

Deve ser porque a MPB FM está prestes a virar Igreja radiofônica e num ato similar à alguém que está afogando, resolve aderir a breguice, sabendo que tem gente graúda portrás disposta a pagar para ver seus pupilos serem tocados numa rádio "di respetcho".

Bola fora. Enquento isso, na OI FM, um crítico faz respeitáveis elogios ao giga-ridicularizante funk-carioca. Jabá com jerimum!

Marcelo Delfino disse...

Agora aguardo os comentários daqueles que defendiam a MPB FM e atacavam a saudosa Nova Brasil FM 89,3, por que a rádio não tinha programação local e tocava Ivete Sangalo (que eu também não gosto). Vai ver, preferem ouvir a evangélica "Rádio Deles" FM ou ouvir Odair José na MPB FM.

Marcelo Delfino disse...

Alexandre, precisamos publicar isso o quanto antes no TRIBUTO. Posso colocar? Precisamos barrar esse jabaculê da MPB FM, antes que seja tarde.