sábado, 11 de julho de 2009

DJAVAN PERIGA SE TORNAR ONE-HIT WONDER



Já escrevemos que a Música Popular Brasileira autêntica está desaparecendo das rádios, obrigando seus artistas a se tornarem reféns de trilhas de novelas para não serem totalmente passados para trás pelos ídolos da Música de Cabresto Brasileira.

Um dos sintomas disso é o risco de, daqui a uns cinco anos, um dos mais prestigiados e populares intérpretes da MPB autêntica, o cantor e compositor Djavan, se torne conhecido por apenas uma música, "Oceano".

Caetano Veloso, outro dos mais prestigiados cantores e compositores, é, pasmem, conhecido pelo povão apenas por regravações de músicas de outros autores, os bregas Peninha e Fernando Mendes. E olha que Caetano, como autor, tem centenas de músicas, seja na interpretação própria, seja na de outros cantores. Até Roberto Carlos gravou uma, "Força Estranha".

Djavan tem também centenas de canções marcantes - uma delas, "Linha do Equador", é justamente em co-autoria com Caetano - , desde que fez sucesso com o samba "Flor de Liz", de 1976, que ouvi muito na infância, nos meus cinco anos.

No entanto, com a hegemonia dos ídolos popularescos, mesmo os grandes nomes da MPB, embora ainda sejam facilmente reconhecidos pelo grande público, já começam a ser ofuscados, primeiro porque vários deles deixaram as grandes gravadoras ou passaram a dirigir selos pequenos nas grandes companhias fonográficas. Segundo, porque a MPB autêntica hoje depende de trilhas de novela da Rede Globo para sobreviver.

Dessa maneira, não mais ouvimos no rádio Djavan, Milton Nascimento, Chico Buarque, Gal Costa, Elis Regina, Ivan Lins, etc., senão em algumas emissoras de adulto contemporâneo e nas raras rádios especializadas em MPB.

E, pior, nem o pedantismo popularesco de veteranos da nova música brega, como Alexandre Pires, Belo, Chitãozinho & Xororó, Zezé Di Camargo & Luciano, Leonardo, Daniel, Banda Calypso, Exaltasamba, Chiclete Com Banana e outros, ajudará a revalorizar a MPB, porque esses ídolos simplesmente se apropriarão dos covers de clássicos da MPB como se fossem músicas suas. O que Chitãozinho & Xororó fizeram com "No Rancho Fundo", de Ary Barroso e Lamartine Babo, é um típico exemplo disso.

Daí que, enquanto um Alexandre Pires ou Exaltasamba da vida gravam qualquer sucesso do Djavan visando lucro duradouro e holofotes na mídia gorda, o próprio Djavan, coitado, só será conhecido do grande público através de "Oceano".

2 comentários:

Lucas Rocha disse...

Alexandre,
Além de "Flor de Liz" e "Oceano", o alagoano Djavan tem dezenas de músicas de sucesso no currículo: "Meu Bem Querer" (essa é a mais bonita), "Fato Consumado", "A Ilha" (música lançada pelo REI ZILDA Roberto Carlos), "Samurai", "Sina", "Lilás", "Faltando Um Pedaço", "Se...", "Nem Um Dia", "Acelerou", "Eu Te Devoro" e "Outono", entre muitas outras. One-hit wonders são aqueles cantores medíocres que só conseguem fazer sucesso com uma música de trabalho. Como, por exemplo, Régis Danese, cantor evangélico da música "Faz um milagre em mim".

Magarefe disse...

Régis, dane-se!