quinta-feira, 18 de junho de 2009

PEDANTISMO BREGA-POPULARESCO: O MOTOR DA MÚSICA DE CABRESTO BRASILEIRA



A música brasileira está dominada completamente pelo fenômeno da Música de Cabresto Brasileira, ou seja, a música brega original e todos os seus derivados que corrompem a diversidade musical brasileira embora, cinicamente, falem em nome dessa diversidade.

São ídolos cafonas ou neo-cafonas, bregas ou neo-bregas, associados a uma música comercial, de gosto bastante duvidoso mas de sucesso imediato. Por trás deles existe toda uma elite de empresários, seja de boates, promotoras de eventos, redes de supermercados, eletrodomésticos, rádios, TVs, jornais, revistas, sites e também uma elite de latifundiários e organizadores de rodeios, vaquejadas, micaretas, "bailes funk".

Quando alguns ídolos desse universo, enquadrados no perfil neo-brega e geralmente associados a estilos mais "comportados", como o breganejo e o sambrega, alcançam o quinto LP de sucesso, eles aparentemente "redirecionam" a carreira e lançam um novo CD com promessas de "sofisticação" musical que não vão além de meras promessas.

Essa atitude carateriza o pedantismo popularesco. Ser pedante significa se apropriar de uma sabedoria alheia, posar de mestre sem sê-lo de fato, carregar falsa erudição, tomar como seus conhecimentos que não possui e não consegue entender direito.

Pois os pedantes do popularesco adotam uma roupagem pseudo-sofisticada (falsa erudição) e se apropriam de uma imagem e de um discurso que os faz parecerem ter alcançado, aos olhos dos incautos, o primeiro escalão da Música Popular Brasileira.

É tudo ilusão. Shows super-produzidos, banho de loja, discos gravados com tecnologia de ponta, equipes de assessores por trás, além de remanescentes das equipes técnicas que, nas grandes gravadoras, trabalharam para os medalhões da MPB, como artistas gráficos, arranjadores, músicos de estúdio, técnicos de mixagem, diretores artísticos.

Os nomes não são difíceis de memorizar. Chitãozinho & Xororó, Alexandre Pires, Leonardo (ex-Leandro & Leonardo), Daniel (ex-João Paulo & Daniel), Exaltasamba, Belo, Zezé Di Camargo & Luciano, Só Pra Contrariar, Revelação (ou Grupo Revelação), Harmonia do Samba, Mastruz Com Leite, Frank Aguiar, (mulher gigante*), Chiclete Com Banana, entre tantos outros.

Ás vezes algum Grupo Molejo aqui, um Gang do Samba acolá, um Psirico mais ali também adotam algum tipo de pedantismo, ou uma Banda Calypso carregada do mais esperto marketing da rejeição.

Os pedantes popularescos, além de todo o aparato visual, técnico-tecnológico e discursivo que disfarçam sua mediocridade artística, incluem em seus discos covers tendenciosas de sucessos da MPB. Dependendo do estilo, apropria-se de certa vertente da MPB. Assim, os sambregas geralmente se apropriam de sambistas de verdade (de Ataulfo Alves a Zeca Pagodinho) ou gravam Djavan. Os breganejos se apropriam da música caipira ou violeira de verdade (de Cornélio Pires até Renato Teixeira) ou então do Clube da Esquina. Mas, como não são de ferro, às vezes regravam músicas de brega, em todos os casos de pedantismo.

Mas há também as mesmas apropriações da MPB em especiais da TV ou em tributos caça-níqueis de algum grande nome da MPB. E há também duetos com medalhões da MPB condescendentes, que só por verem esses popularescos como "pessoas boazinhas", sentem pena deles.

Mas esses pedantes cometem um estrago enorme, na medida em que tentam tomar o lugar da MPB no mercado e no gosto popular. Suas músicas continuam sem a mínima qualidade, apesar de toda técnica, de toda tecnologia, de toda retórica e todo visual. Seus intérpretes continuam tão bregas quanto antes, e não adianta falar firme nas entrevistas para assustar os críticos que isso não adianta. No fim, toda a mediocridade é mostrada, seja numa entrevista, num CD, numa apresentação ao vivo cuja ruindade nem as gritarias histéricas das fãs conseguem disfarçar (os berros delas só fazem piorar).

Todos sonham em ser MPB, mas poucos têm a vocação natural para isso. E a Música de Cabresto Popularesca não tem. Mesmo os ídolos mais pedantes.

* Para dificultar a busca no Google, omitimos o nome dessa cantora baiana, para não incitar a fúria de seus fanáticos fãs contra nosso blog.

Nenhum comentário: